Semear ideias ecológicas e plantar sustentabilidade é
ter a garantia de colhermos um futuro  
fértil e consciente!

Maranhão - (98)3274-1145 / 3274-1237 / 98789-2135

Piauí - (86) 98184-7844 / 99477-2937 / 99803-3774

Rio Grande do Norte - (84) 3631-8059 / 3631-8145 / 99128-2077

Tocantins - (63) 99911-5204 / 99111-7350 / 99994-8783

Sergipe - (79) 99809-5151 / 98111-6269

Bahia - (81) 98137-5151 / 99184-4555

Alagoas - (82) 98204-0785 / 99101-7679

Paraíba - (83) 98184-5151 / 99104-6032

Ceará - (85) 99186-1022

Pará - (94) 99174-6498 / 99215-4747

Pernambuco - (81) 98137-5151 / 99184-4555

bovinos nelore 679x580

 

Projeto prevê adesão voluntária dos frigoríficos para classificação segundo fatores como idade e gordura

O setor produtivo da carne bovina quer implantar um novo sistema de classificação e tipificação das carcaças bovinas. Várias entidades do setor investiram no desenvolvimento de um projeto que prevê a padronização e identificação do tipo de carcaça, conforme as características dos bovinos e da carne. Com a classificação, o consumidor final terá condições de identificar os diferentes padrões de qualidade. A expectativa também é agregar valor e estimular o maior investimento na produção e na qualidade dos bovinos destinados ao abate. Para entrar em vigor, o projeto depende da aprovação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O modelo para o novo sistema nacional de classificação e tipificação de carcaças bovinas foi proposto pela Associação Nacional da Pecuária Intensiva (Assocon), pela Associação Brasileira de Angus (ABA), pela Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB), pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) e Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec). O objetivo do sistema proposto é criar um padrão único que possa ser seguido, de forma voluntária, pelas unidades frigoríficas do País. O processo será auditado, o que vai garantir a padronização da classificação. O projeto tem que ser aprovado pelo Mapa e a expectativa é que isso ocorra ainda este ano.

Fonte: DIÁRIO DO COMÉRCIO

© Copyright 2018 - Todos os direitos reservados para INDAMA